Valor de indenizações pagas a produtores de leite do RS cresceu 9,64% em 2018

Geral | 30 de Janeiro de 2019 Voltar

fazendeiro com prancheta na fazenda com vacas na cocheira.jpeg (5.92 MB)

O valor das indenizações pagas a produtores de leite do Rio Grande do Sul para a erradicação de animais positivos para tuberculose ou brucelose aumentou 9,64% em 2018, se comparado com 2017. Ao todo, o montante chegou a R$ 4,2 milhões. Essas indenizações ao setor leiteiro correspondem a mais de 60% do total utilizado, no ano passado, nas quatro cadeias que compõem o Fundo (aves, suínos, pecuária de corte e pecuária de leite), cujo total chegou a R$ 6,5 milhões. A informação foi divulgada neste mês, pelo Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa).

Para o presidente do Fundo, Rogério Kerber, o estado “vem buscando a redução da incidência de tuberculose e brucelose nos rebanhos e o saneamento de propriedades”. É o mesma justificativa do secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat), Darlan Palharini. “Os criadores estão cada vez mais conscientes sobre a importância da eliminação dessas zoonoses no Estado”, disse.

O Fundesa também divulgou o saldo do fundo que fechou o ano em R$ 84,8 milhões, com o ingresso de R$ 10,5 milhões em contribuições de produtores e indústrias.