Este site utiliza cookies

Salvamos dados da sua visita para melhorar nossos serviços e personalizar sua experiência. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade, incluindo a política de cookie.

x
ExitBanner
#bebamaisleite

Pós-bióticos e leite em pó são aliados contra o Diabetes Tipo 2

Estudo recente sugere que a combinação pode ser grande aliada no controle da doença.

Pós-bióticos e leite em pó são aliados contra o Diabetes Tipo 2

O diabetes tipo 2 (DT2) é uma condição de saúde complexa e prevalente que afeta milhões de pessoas. Caracterizado por resistência à insulina e regulação prejudicada da glicose, requer abordagens terapêuticas inovadoras para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e reduzir complicações associadas. Nesse cenário, a pesquisa em nutrição e microbiologia tem explorado novas estratégias, incluindo o uso de pós-bióticos, para auxiliar no controle da enfermidade.

Os pós-bióticos são produtos inativados derivados de probióticos que contêm alta variedade de componentes benéficos, como enzimas, proteínas e ácidos graxos de cadeia curta. Esses compostos têm demonstrado potencial na modulação da microbiota intestinal, fortalecimento do sistema imunológico e regulação do metabolismo, tornando-os candidatos promissores para intervenções terapêuticas em condições metabólicas, incluindo o DT2.

O leite em pó, produto amplamente consumido e com mercado em expansão, oferece plataforma única para a incorporação de pós-bióticos. Sua longa vida útil, facilidade de armazenamento e transporte o tornam veículo ideal para a entrega de pós-bióticos, permitindo a criação de alimentos funcionais.

Recentemente, pesquisadores de um importante periódico internacional investigaram os efeitos do pós-biótico Lactiplantibacillus plantarum LRCC5314 adicionado ao leite em pó no tratamento do DT2 induzido por estresse em modelos animais.

Os resultados do estudo foram promissores. Os animais tratados demonstraram redução nos níveis de corticosterona, hormônio associado ao estresse crônico. A redução desses níveis é crucial, pois o estresse prolongado pode contribuir para o desenvolvimento e progressão do DT2. Além disso, houve melhora significativa na sensibilidade à glicose e insulina, indicando maior eficiência na utilização e regulação da glicose no organismo, o que é essencial para o controle adequado da doença.

Mais um avanço significativo nas abordagens terapêuticas para condições tão relevantes e impactantes como o DT2. E o que torna isso ainda mais empolgante é a participação dos produtos lácteos, que continuam a demonstrar seu potencial e benefícios para a saúde humana de forma consistente.



Fonte: Effect of postbiotic Lactiplantibacillus plantarum LRCC5314 supplemented in powdered milk on type 2 diabetes in mice. Journal of Dairy Science, 2024. DOI: https://doi.org/10.3168/jds.2023-24103



Tags

Compartilhar:


Comentários

Enviar comentário


Artigos Relacionados