Este site utiliza cookies

Salvamos dados da sua visita para melhorar nossos serviços e personalizar sua experiência. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade, incluindo a política de cookie.

x
ExitBanner
Geral

Um bem natural

Por que sou feliz sendo produtor de leite?

Um bem natural

Edição #97 - Abril/2017 

UM BEM NATURAL

Por que sou feliz sendo produtor de leite?

Produzir leite não é um trabalho fácil, e talvez por isso muitos jovens não estejam encarando a sucessão como uma boa opção profissional. Mas, também é uma atividade que traz vantagens e prazeres únicos. Contato com a natureza, dinheiro entrando todo mês, produzir um alimento nobre, educar os filhos em um ambiente de trabalho e valores sólidos, ou as vacas - o que te faz feliz? Fizemos essa pergunta a produtores espalhados pelo Brasil, com realidades bem distintas em termos de sistema de produção. Confira as respostas e, quem sabe, inspire-se neles para repensar os seus conceitos de felicidade.

“Quando você nasce, cresce e se desenvolve em um ambiente familiar saudável e feliz, cria-se dentro da gente exemplos e paixões que vão formando raízes e moldando nossa formação e também nossos gostos e vocação profissional. Nasci em uma família de produtores de leite que cresceram com a atividade, sabendo enfrentar as dificuldades com trabalho e dedicação, nunca com reclamações e desânimo. Assim, aprendemos a gostar de trabalhar com vacas de leite e passamos isso também aos nossos filhos, que hoje já estão formados e trabalhando com o grupo, que agora terá um novo nome: Fazendas Reunidas Antonio Carlos Pereira, Filhos e Netos. Nunca corremos para ser os maiores produtores de leite do Top 100, mas estamos, com certeza, no Top 10 entre os mais felizes.”
LEO PEREIRA, Fazendas Reunidas ACP & Filhos, Carmo do Rio Claro/MG, Embaixador Leite Integral

Um bem natural2.PNG (6 KB)

“Desde muito novo, sempre tive grande afinidade com a pecuária. Eu gosto bastante de manejar o gado, planejar as atividades relacionadas ao rebanho, fazer os acasalamentos e ver os resultados acontecendo em cada ciclo da vida que se repete. Quando descobri os encantos da atividade leiteira, eu atingi o ápice da minha vida profissional. Tive que juntar as minhas competências para superar as dificuldades que apareceram no início de um projeto de criação de Gado Jersey no Noroeste do Paraná. Produzir leite foi, é e continuará sendo bastante desafiador. Produzir leite de forma eficiente e sustentável requer – além de um bom rebanho – organização, controle, dedicação e muito profissionalismo. Ser produtor de leite Jersey me proporciona fazer o que eu gosto e participar de uma classe de trabalhadores que – com muito suor – desempenha um papel fundamental na economia do nosso país.

Enfrentar os desafios diários da atividade leiteira me faz crescer – como homem e como profissional – e me dá a oportunidade de conhecer grandes pessoas. E, além de tudo isto, sou reconhecido pelo meu trabalho. ”
MARCELO P. XAVIER, Presidente da ACGJB, Fazenda Ipiranga Jersey JOPX, Embaixador Leite Integral

“Primeiramente, sou feliz por poder ajudar a alimentar inúmeras pessoas, com um alimento tão nobre, rico e com diversas qualidades. Ser feliz sendo produtor é poder olhar todos os dias meus funcionários, meus amigos e a população em geral, e pensar: “ajudo a contribuir com a economia do Brasil; ajudo meu país com a atividade que mais gera empregos no mundo, ajudo o ser humano, para que possa se alimentar com um alimento rico e saudável, sem gastar muito; ajudo e dou condições de crescimento profissional, financeiro, de sobrevivência a todos os meus funcionários, tenho a certeza de que estou fazendo o melhor para quem posso. Ser produtor de leite me ensinou e ensina coisas que nenhuma faculdade há de ensinar, me ensinou e me ensina todos os dias a aprender a economizar, a saber lidar com pessoas, me ensina um pouco de construção, de biologia, matemática, meteorologia, psicologia, saúde do solo, pragas da lavoura, doença de bovinos, de humanos, me ensina a ter gosto pela leitura, a escrever, a buscar todo dia não ser massacrado pelos que querem me devorar, e principalmente a tentar entender as adversidades desse mundo capitalista em que vivemos...Tenho prazer de hoje ser mais humano, mais amigo, mais calmo, mais pai, mais filho, mais marido, enfim, ser produtor de leite é se preparar e se purificar na terra, onde busco um descanso digno na minha eternidade.”
REINALDO FIGUEIREDO, Fazenda Figueiredo, Cristalina/GO, Embaixador Leite Integral

“Posso listar inúmeras razões que expressam a satisfação de ser produtora de leite, mas acho que duas delas são as principais responsáveis pelo meu interesse e dedicação. A primeira, é a crença de que o leite é um alimento rico e fundamental para nossa alimentação e saúde, e o compromisso de melhorar cotidianamente a qualidade do leite produzido em nossas fazendas é, ao mesmo tempo, desafiador e motivador. A segunda razão, é que o amor pelo campo é uma herança de família. Cresci admirando o trabalho sério e os valores dos produtores rurais em minha família, e pude ver de perto o respeito e dedicação de quem cuida da terra e dos animais. Além de me sentir grata e feliz por dar continuidade a esse trabalho, posso ensinar tudo isso para meu filho. Acho apaixonante estar em constante evolução, conhecer e entender da vida, do clima, da tecnologia, agricultura, mercado, gestão e, principalmente, de trabalhar junto a outras pessoas apaixonadas pelo campo. ” MARIELLE C. L. ASSIS, Fazenda L.A, Carmo de Minas/MG

“Meu pai tinha uma propriedade de 2 alqueires de terra, onde vendia o leite a domicílio. Quando fiz 9 anos, nos mudamos para Witmarsum/PR, para uma propriedade de 25 alqueires. Fui criado no pé da vaca. Quando casei, arrendei uma propriedade, mas não deu certo. Foi quando minha esposa e eu nos mudamos para Carambeí, para trabalhar em fazendas maiores. Sou apaixonado por vacas, e digo que na minha veia não corre sangue, corre leite. Meu sonho sempre foi tocar uma propriedade grande, mas não sabia a dificuldade que iria encontrar pela frente. Foi quando meu sócio me ofereceu a oportunidade de fazer o MDA, com o professor Paulo Machado. A partir desse momento minha vida e a fazenda mudaram. O professor Paulo me falou que em minhas veias deveria correr gente, e não leite. Foi aí que comecei a ser feliz de verdade. Sou feliz como produtor de leite porque estou trabalhando com pessoas maravilhosas.”
MÁRCIO HAMM, Melkstad, Carambeí/PR

“É óbvio que não é o fato de produzir leite que me faz feliz, mas é verdade que isso reforça aquilo que já é um “bem natural”. No meu caso, por ter sido essa atividade que me permitiu liberdade. Fiz uma lista das vantagens em ser produtor:
1) Me permite ser 100% honesto.
2) Dinheiro todo mês.
3) Liquidez (produção e animais).
4) Seguro (devido à liquidez, e por formar um capital crescente e renovável).
5) Previsão de crescimento, pois quem tem o controle dos dados do seu negócio consegue ter cronograma de crescimento.
6) Garantias de poder crescer (pela certeza de mercado), pois é um alimento vital do qual nunca houve sobra ou suficiência no mercado nacional, e todo ano é preciso importar.
7) Ainda cabe “filosofar” sobre: uma atividade cheia de detalhes que me obriga a buscar inovações e adaptações, uma mente viva e criativa que se encaixa perfeitamente com as orientações médicas na luta pela prevenção do mal de Alzheimer. A delícia de viver em contato com a natureza e vê-la criando e o homem coatuando, principalmente com a genética, mas não só. O prazer de estar numa atividade onde o “a ser feito” é maior do que o “já realizado”, e aqui cabe lembrar dos dois prospectadores de negócios, do ramo de calçados, que foram enviados pra uma mesma região para sondagens de mercado e fizeram leituras opostas. Um não enxergou oportunidades pois notou que lá quase todos andavam descalços, já o outro vislumbrou grandes possibilidades de negócios, e  pelo mesmo motivo, desde que se adequassem àquela realidade. Faz muito que carrego uma convicção: 'Demos certo no leite por ser uma atividade complexa, pois o fácil já tá todo tomado'." 
NIVALDO MICHETTE - Embaixador Leite Integral, Estância Vanda, em Paranaíta, Mato Grosso e o Sítio São Paulo em Santana do Itararé, Paraná

“Achamos nessa profissão um propósito: fazer o bem para nós mesmos e para o outro. A cultura da felicidade faz parte da nossa empresa. Trabalhar de bom humor, fazer amigos no trabalho, sentir que está crescendo, enxergar oportunidades, ter contato com a natureza e, principalmente, buscar incansavelmente um leite de qualidade. Trabalhar com propósito: para que nosso leite promova saúde, crescimento regional e evolução pessoal. Isso nos deixa felizes e orgulhosos.” BARBARA BERNARDES E FERNANDO GAVAIA, Fazenda Casa de Leite, Lagoa da Prata/MG

Um bem natural2.PNG (6 KB)

“Não é fácil responder “Por que sou feliz produzindo leite?”, em uma única frase, pois a resposta é composta de vários fatores e situações. Mesmo não concordando com a frase “produzir leite é empobrecer alegremente”, pois conheço vários produtores bem sucedidos, é melhor do que “enriquecer tristemente”. Os termos custo de produção, volume de produção, produtividade, eficiência, dentre outros, estão presentes no dia a dia de todas as atividades, não sendo diferente na pecuária de leite, que além dos fatores econômicos, depende dos fatores climáticos. Mas, a nossa, tem uma peculiaridade: a vaca. Na maioria dos rebanhos, ela tem nome, tornando-se um “ente”. Ela é a principal razão das conversas na praça, na fila do banco, na cooperativa, no balcão da casa agropecuária, no whatsapp... São dois os motivos que me fazem feliz produzindo leite: a atividade nos aproxima, independente da região e do porte. Produtores de 100, 1.000 ou 10.000 litros sempre terão o que conversar e aprender um com o outro, e ver uma bezerra nascer e acompanhar seu desenvolvimento, até se tornar uma produtora de leite.”
ANDRÉ RAMALHO - Fazenda São Luiz, Monteirópolis/AL, Embaixador Leite Integral

“Produzir leite é motivador porque, para quem gosta disso, essa atividade é um desafio constante. Essa motivação vem da consciência sempre presente de que podemos ser melhores em diversos itens e índices, quando comparamos o que fazemos com a literatura ou com dados de outras fazendas. Não é atividade para quem gosta de sossego. Nenhum dia é igual ao outro e uma fazenda de leite é movimentada, muitas vezes com mais emoção do que o necessário. Por outro lado, é uma atividade que nos ensina a lidar com a frustração, e isso nos faz muito bem na vida pessoal. Também nos ensina que os resultados são dependentes de rotina e de consistência na execução. Não basta fazer; é preciso fazer de forma firme e consistente, porque é muito fácil desvirtuar as centenas de rotinas que criamos em uma fazenda de leite. Quem produz leite não tem vida fácil. O desafio está presente na produção, nas compras, na venda, nas projeções e programações. Tudo isso 24 horas por dia, 7 dias por semana. Quem gosta de mais tranquilidade precisa ficar na pecuária de corte, onde os planejamentos e decisões são mais fáceis e a fazenda é muito mais sossegada.”
ROBERTO JANK JUNIOR , Agrindus, Descalvado/SP, Embaixador Leite Integral

CECÍLIA SUCASAS
MARIA THEREZA REZENDE
FLÁVIA FONTES
Editoras da Revista Leite Integral

Compartilhar:


Comentários

Enviar comentário


Artigos Relacionados